sábado, 12 de novembro de 2016

Era Trump - O jogo vai começar.


Mesmo que você seja daquelas pessoas que não se preocupa com a privacidade e segurança cibernética deve lê este Post. 


Nele, reproduzo trechos do artigo  de Aviva Rutkin publicado originalmente no site NewScientistem (https://www.newscientist.com/article/2112521-trumps-election-stokes-fears-of-future-nsa-surveillance-abuses/ ) que traça um cenário nebuloso para Era Trump em relação à segurança e privacidade cibernética.


Particularmente acredito que pouco vai mudar na Era Trump. Todos aquele discursos da campanha será lembrado como mais um script seguido personagem que ele representou para o público americano.


Será que a  população foi levada pela emoção e "barrismo" típico de pais de terceiro mundo?


Será que  foi levada pelo personagem de um super herói americano, com forte apelo patriótico, que  promete  defender a pátria dos exploradores externos e capaz de realizar o sonho americano para os americanos? 


Pois é, o capitão América é fichinha diante do Super Trump.


É verdade, quando Donald Trump assumir o cargo, serão entregues as chaves dos EUA e um conjunto poderoso de ferramentas para espionar as pessoas organizações e governos, mas a vida real é diferente e ele não é nenhum Maluco, do mesmo jeito que não é um super herói!


Pouco ou nada vai nesse episódio de jogos mortais. NSA vai continuar atuando como sempre atuou, a invasão de privacidade continuará sendo praticada da mesma forma. As trincheiras da guerra cibernética continuará em fogo cruzado. 


Segue o artigo...


A eleição de Trump alimenta temores de futuros abusos de vigilância da NSA


Os EUA estão a poucas semanas de entregar poderes de vigilância maciça a um homem que expressou entusiasmo pela idéia de espionar aqueles que ele vê como adversários.


Quando Trump tomar posse em janeiro, como ele vai decidir exercer os poderes de fiscalização do governo? 


Ele poderia tentar reverter as reformas que Obama implementou, como as limitações sobre quando a agência pode coletar dados das pessoas e como elas podem ser armazenadas. 


Ele pode decidir em que países os EUA espionam. 


Ele pode optar por empurrar muito mais dificuldades  contra as empresas que se recusam a construir  " portas dos fundos " para sua tecnologia para seu governo.


Trump também prometeu se vingar de inimigos pessoais, como as mulheres que o acusaram de agressão sexual. Quando os detalhes das escutas telefônicas sem mandato da NSA vieram à luz, os analistas foram apanhados espionando seus parceiros e interesses amorosos. Poderia Trump ter vantagens semelhantes?


Enquanto isso, o Open Rights Group, uma organização de direitos digitais em Londres, levantou questões sobre o que a eleição de Trump poderia significar para os cidadãos britânicos. Na quarta-feira, o seu director executivo, Jim Killock, apontou que agência de segurança GCHQ tem trabalhado estreitamente no passado com a NSA, a partilha de ferramentas de hacking e os dados coletados. "Nós confiamos tanto na tecnologia e nos dados dos EUA que levantam questões para nossa soberania", escreve ele. "Será que o Trump ameaçará o Reino Unido com a remoção de tecnologias-chave, se o nosso governo sair da linha?"


Desde a eleição, os ativistas de privacidade aconselharam o público a mudar para proteger plataformas, como o navegador de internet  aplicativos  de mensagens criptografado. 


Alguns se perguntam o que, se alguma coisa, Obama poderia fazer para desmantelar os poderes de fiscalização do governo antes de ele desce em janeiro. Luta para o Futuro, uma organização sem fins lucrativos em Boston, Massachusetts, pediu ao presidente para " desligar o NSA ", apagando todos os dados sobre os cidadãos dos Estados Unidos e derrubar a infra-estrutura utilizada para recolher. "Se Trump quiser espionar centenas de milhões de americanos, faça com que ele construa essa capacidade do zero", diz.


Enviado do meu iPhone

Nenhum comentário:

Postar um comentário