quinta-feira, 18 de abril de 2019

As chamas da Notre Dame continuam ardendo nas Big da Internet.

É... pelo jeito que as coisas estão acontecendo lá pelas "zoropas",  a comunidade europeia estão decidida em banir as Bigs da Internet do continente!   


Pelo menos é o que me leva a acreditar as últimas notícias que estão vindo lá.

Agora, a pressão pelo bolso ($) vai na direção delas.

O Parlamento europeu votou na quarta-feira para multas de empresas como Facebook, Google e Twitter em até 4 por cento do volume de negócios se persistirem em não remover conteúdo extremista dentro de uma hora depois de serem solicitadas pelas autoridades.

Vejam a matéria completa da  Reuters abaixo: 


Parlamento da UE vota para multas em empresas de internet por não remover conteúdo extremista rapidamente. 


STRASBROUG (Reuters) - O Parlamento europeu votou na quarta-feira para multas de empresas como Facebook, Google e Twitter em até 4 por cento do volume de negócios se persistirem em não remover conteúdo extremista dentro de uma hora depois de serem solicitadas pelas autoridades.

As medidas foram mais focadas desde a transmissão ao vivo de uma das plataformas do Facebook de um atirador solitário que matou 50 pessoas em duas mesquitas da Nova Zelândia em março.

O parlamento votou 308 a 204 com 70 abstenções para apoiar a proposta de combater o uso indevido de serviços de hospedagem na Internet para "fins terroristas".

"As empresas que sistematicamente e persistentemente não cumprem a lei podem ser sancionadas com até 4 por cento do seu volume de negócios global", disse.

Um novo Parlamento Europeu, a ser eleito em 23 e 26 de maio, finalizará o texto da lei em negociações com a Comissão Européia e representantes de governos da UE, um processo que provavelmente levará muitos meses.

 "Há claramente um problema com material terrorista circulando sem controle na internet por muito tempo", disse Daniel Dalton, relator do parlamento para a proposta.

 "Essa propaganda pode estar ligada a incidentes terroristas reais e as autoridades nacionais devem ser capazes de agir de forma decisiva.  Qualquer nova legislação deve ser prática e proporcional, se quisermos salvaguardar a liberdade de expressão ", disse ele.

 "Isso ... absolutamente não pode levar a um monitoramento geral do conteúdo pela porta dos fundos."

 Funcionários da UE agiram para regulamentar porque acreditam que as empresas de internet não estão fazendo o suficiente sob medidas voluntárias, mesmo que a primeira hora seja a mais vital para conter a disseminação viral do conteúdo online.

 O Facebook disse que removeu 1,5 milhão de vídeos contendo imagens do ataque da Nova Zelândia nas primeiras 24 horas após o tiroteio.

 Preocupações que as novas regras estão faltando e que poderiam ser mal utilizadas foram expressas por três relatores especiais da ONU para direitos humanos e pelo Observatório de Direitos da União Europeia.

 As empresas contam com um mix de ferramentas automatizadas e moderadores humanos para identificar e excluir conteúdo extremista.  No entanto, quando o conteúdo ilegal é retirado de uma plataforma, ele geralmente aparece em outra, forçando a capacidade das autoridades de policiar a web.

 Em resposta às preocupações da indústria de que plataformas menores não têm os mesmos recursos para cumprir tão rapidamente com regras mais rígidas da UE, os legisladores disseram que as autoridades devem levar em conta o tamanho e a receita das empresas envolvidas.

 Projetos de medidas pedem aos governos nacionais do bloco que implementem as ferramentas para identificar o conteúdo extremista e um procedimento de apelação.  A regra de uma hora aplicar-se-ia a partir do ponto de notificação pelas autoridades nacionais.

 Bruxelas tem estado na vanguarda de um esforço dos reguladores em todo o mundo para forçar as empresas de tecnologia a assumir maior responsabilidade pelo conteúdo em seus sites.


By IDFM

Nenhum comentário:

Postar um comentário