quarta-feira, 4 de outubro de 2017

10 principais tendências tecnológicas estratégicas para 2018


Em publicação feita pela Forbes hoje, 04.10.2018, Peter High revelar que no symposium do Gartner em andamento em Orlando, a empresa identificou as dez principais tendências tecnológicas estratégicas para o próximo ano. O Gartner define "estratégico" como as tecnologias que terão um potencial perturbador significativo nos próximos cinco anos. " Aqui está um resumo das tendências:

1. AI Foundation
2. Intelligent Apps & Analytics
3. Intelligent Things
4. Digital Twin
5. Edge computing
6. Conversational Platforms
7. Immersive Experiences
8. Blockchain
9. Event Driven
10. Continuous Adaptive Risk & Trust

1. AI Foundation

A inteligência artificial (AI) tem um enorme potencial para melhorar a tomada de decisões, reinventar modelos de negócios e ecossistemas, e refazer a experiência do cliente. Muitas organizações já tomaram nota disso, com uma recente pesquisa do Gartner, indicando que 59% ou organizações estão reunindo informações para construir uma estratégia de IA, enquanto o resto está pilotando ou adotando programas de AI. Dado que as técnicas de IA estão em rápida evolução, e as organizações precisarão investir fortemente em habilidades, processos e ferramentas, sugere-se que o foco comercial seja focado em soluções bem dimensionadas visando tarefas específicas. Com o Gartner estimando que, até 2020, 30% dos CIOs incluirão AI em suas 5 principais prioridades de investimento, agora é o momento de investir na preparação de dados, integração, algoritmo e seleção de metodologia de treinamento e criação de modelo.

2. Apps e Analytics inteligentes

A AI tornou-se um importante campo de batalha para fornecedores de software e serviços, com a AI esperava ser incorporada em cada aplicativo, aplicativo e serviço, pelo menos em algum nível. O Gartner destaca a análise aumentada, que utiliza o aprendizado de máquina para automatizar a preparação de dados, a descoberta de insights e a interação de informações como uma área de crescente importância estratégica. As organizações devem explorar aplicativos inteligentes que aumentam a atividade humana e identificar casos de uso em análises avançadas, processos inteligentes e novas experiências de usuários

3. Coisas Inteligentes

À medida que o IoT cresce para abranger um número crescente de coisas, a AI e a máquina permitirão que essas coisas funcionem de forma autônoma ou semi-autônoma. À medida que a tecnologia avança, enxames de coisas inteligentes funcionarão de forma colaborativa para alcançar um objetivo.

4. Gêmeo Digital

Os gêmeos digitais, que são representações digitais dos sistemas do mundo real, oferecem informações sobre o status de sua homóloga do mundo real. Essas representações podem responder a mudanças ou melhorar as operações, potencialmente economizando bilhões de dólares de empresas em reparos e operações de manutenção. Embora a maioria dos exemplos de gêmeos digitais hoje existam dentro do espaço IoT, existe um potencial crescente para que gêmeos digitais existam para objetos que na verdade não "pensam", como um gêmeo digital para um humano que oferece dados biométricos e médicos aos médicos, ou um gêmeo digital para uma cidade, que poderia oferecer informações aos planejadores da cidade sobre operações e manutenção.

5. Computação de borda (Edge/Fog)

A computação de borda move a computação e o processamento mais próximos do usuário / coisa, ou a "borda" da rede. Quando comparado à computação em nuvem tradicional, isso reduz a largura de banda de comunicação necessária e elimina a latência entre os sensores e a nuvem. À medida que os veículos autônomos, os drones e outras tecnologias robóticas continuam a amadurecer, a necessidade de processamento em tempo real de enormes quantidades de informações só crescerá.

6. Plataformas Conversacionais

As plataformas conversacionais estão mudando a maneira como as pessoas interagem com o mundo digital. Ao invés de ter que aprender como o computador se comunica, as plataformas conversacionais permitem ao usuário transmitir sua intenção usando linguagem natural. Nos próximos anos, as interfaces de conversação tornar-se-ão um objetivo de design primário para a interação do usuário e podem se tornar a principal maneira que os usuários se comunicam com o mundo online.

7. Experiências imersas

A realidade virtual (VR), que coloca o usuário em um ambiente digitalmente renderizado e realidade aumentada (AR), que sobrepõe a informação digital no mundo real, está dissolvendo os limites entre o mundo digital e o físico. Agora, a realidade mista (MR), que funde e estende tanto AR como VR, está se tornando a experiência de escolha. Combinado com as plataformas conversacionais e o IoT, essas tecnologias vão inaugurar uma mudança fundamental para a computação invisível, imersiva e ubíqua

8. Blockchain

O blockchain é um livro-razão compartilhado, distribuído descentralizado e tokenizado que remove a fricção do negócio por ser independente de aplicativos ou participantes individuais. Embora exista um potencial significativo a longo prazo para partes não confiantes trocarem transações comerciais, os próximos dois a três anos serão mais hype do que benefício tangível. Dito isto, as organizações ainda podem se posicionar para tirar proveito da tecnologia ao entender as oportunidades de negócios em potencial, bem como as capacidades e limitações da tecnologia.

9. Evento dirigido

Os momentos de negócios digitais, que são uma combinação de eventos de negócios que refletem a descoberta de estados notáveis ou mudanças de estado, direcionarão negócios digitais. Enquanto um exemplo simples seria o sinal de que uma ordem de compra foi concluída, à medida que as tecnologias IoT e outras emergem, eventos complexos podem ser detectados mais rapidamente e analisados em maior detalhe. A Gartner sugere que as empresas devem adotar o "pensamento de eventos", uma vez que, em 2020, a percepção da situação em tempo real será uma característica necessária para 80% das soluções de negócios digitais e 80% dos novos ecossistemas empresariais exigirão o apoio ao evento em processamento.

10. Risco adaptativo contínuo e confiança

O mundo da segurança está mudando constantemente à medida que as ameaças e a proteção de ameaças evoluem, como evidenciado pela série de hacks de alto perfil durante o verão. A avaliação contínua do risco adaptativo e da confiança (CARTA) permite a tomada de decisões em tempo real, com risco e confiança, com respostas adaptativas ao negócio digital de segurança. Para tornar a CARTA realidade, as organizações devem explorar a integração da segurança em seus esforços DevOps para oferecer um processo continuo de SevSecOps, além de explorar tecnologias de decepção para capturar atores ruins que penetraram na rede da organização.


IDFM

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

O poder de influência dos russos nas redes sociais


O poder de influência das redes sociais estão diretamente ligados à capacidade de geração de engajamento por contas fakes e da robotização das mensagens.

Pelo menos é o que leva a acreditar a publicação feita no site The Next Web.

De acordo com a publicação, o Congresso americano deverá se reunir no próximo mês para discutir a proliferação de contas de redes sociais criadas por agentes russos. O que antes pareceu ser uma tentativa de minar a campanha de Hillary Clinton a favor da exibição de Donald J. Trump eleito, agora parece ser uma tentativa orquestrada contínua de dividir cidadãos americanos e minar a influência global do país.

O fim de semana passado, enquanto Puerto Rico sofreu uma destruição total na sequência de um furacão, a mídia social estava em chamas com o debate sobre se os jogadores da NFL deveriam ficar de pé ou ajoelhados durante o hino nacional. Aqueles que levaram para o Twitter para discutir a questão foram confrontados com um influxo de resistência sob a forma de mensagens inflamatórias e Tweets.

Acontece que muitos desses Tweets eram de agentes russos, cujo único propósito é continuar empurrando a divisão entre os americanos. Não importava o lado em que você estava; havia bots russo tentando influenciar suas opiniões.

O New York Times informa que há evidências que sugerem que a interferência russa durante as eleições de 2016 foi pior no Twitter do que o Facebook, e a informação da vigilância da internet Alliance for Securing Democracy mostra que a tendência continua hoje. O grupo rastreia 600 bots russo conhecidos para determinar como os agentes estão tentando influenciar a política americana.

Não há mais nenhuma dúvida de que a interferência russa desempenha um papel importante na política americana. À medida que as investigações sobre as contas das redes sociais continuam, o número de atores ruins atingiu as centenas de milhares.

E esta é apenas a ponta do iceberg de acordo com o Representante dos EUA Adam Schiff, que disse ao New York Times: "Eu acho que agora o público está ciente de apenas um subconjunto de um subconjunto da atividade russa on-line"

O Congresso pretende enfrentar o problema com o Comitê de Inteligência da Câmara dos Deputados que se prepara para se reunir no próximo mês para as discussões anteriores a uma reunião do 2 de novembro que os executivos do Facebook, Google e Twitter foram convidados a participar.


IDFM

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Transformação Digital com “Soberania Digital”?


Como não se bastasse as ameaças de violação da privacidade pelo hackers, com as invasões de empresas, vazamentos e venda de informações por funcionários, os governos pressionam os grandes provedores de serviços para terem domínio “territorial”  das informações de seus cidadãos, ameaçando e bloqueando a utilização de APPs em seus territórios.

Para quem não vem acompanhando, só nos últimos dias tivemos diversas revelações de vazamentos, roubo, de informações em empresas como Equifax, Deloitte, Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, etc. ou seja, as grandes marcas nem sempre é garantia de segurança das informações, mesmo que em solo teoricamente seguros.

A exemplo da pressão dos governos, a China fez o bloqueio do WhatsApp esta semana, depois de já ter o Facebook bloqueado desde 2009.

Agora, os Russos seguem no mesmo caminho e ameaçam banir o Facebook em 2018, seguindo o que já fez com o LinkedIn, com base em Lei de 2015 que obriga serviços conectados a guardarem dados de russos dentro do país.

Curiosamente, a legislação é semelhante à europeia, que obriga empresas que atuam no país a armazenar dentro do bloco os dados de cidadãos dos países membros. A transferência só é permitida se o país destinatário cumprir uma série de exigências de segurança no tratamento às informações pessoais.

No Brasil, também temos legislação semelhante que obriga que dados oficiais dos cidadãos brasileiros, devem ser mantidos no território brasileiro.

Identifico como motivação dos governos para esta ação, os seguintes pontos:

  1. Do ponto de vista de distribuição e segmentação do risco, os vazamentos ficam segregados, restritos ao local da invasão ( sei que não é 100% verdade, mas reduz a possibilidade de maior abrangência).
  2. A intenção de ter a legislação local ao dispor para ter acesso às assuntos privados de seus cidadãos.
  3. Do ponto de vista "geo politico", pode ser considerado uma questão de soberania. Imagine ter as informações da população de um país na mão de outro que tenham interesses políticos, territorial e econômico diferentes e conflitantes?
  4. Do ponto de vista econômico é uma forma de obrigar as empresas estrangeiras investirem em infraestrutura e tecnologia no país.

Mas estes interesses dos governos, vão contra os interesses do "Clubinho do Vale do Silício", que rejeitam soberania, regulamentação, o governo menor e militarismo (Modelo mental por trás do poder no Vale do Silício.).

O caso brasileiro.

Apesar de parecer absurda a legislação exigindo a localização geográfica dos servidores virtuais em território brasileiro, que teoricamente não agrega "segurança cibernética" adicional a proteção das informações, sou tendencioso a acreditar que ela é benéfica.

Pode não garantir a proteção de ameaças virtuais, mas politicamente é uma medida de "soberania", quando se trata de informações sob guarda do Estado, órgãos oficiais e etc.

O indivíduo pode fazer o que quiser com suas próprias informação e usar os critérios que consideram mas adequado para ele. Se a pessoa física, como indivíduo, confia em A, B ou C o problema é dela, mas quando estas informações são de posse do Estado não "acho" adequado ser terceirizado para outro Estado a garantia da privacidade. Essa garantia de segurança pode também ser traduzida em legislação. Em território nacional fica ao alcance também de nossas regulamentações e legislações

Outro aspecto da "nacionalização dos dados" é de questão econômica, fiscal. É uma "estimulação forçada" para que os grandes player se instalem no país, gerem atividade econômica e principalmente Impostos.

As empresas e pessoas físicas de forma geral têm o direito de escolha onde deixar suas informações, o Estado não!

Para o Estado a única opção é ser dentro do território nacional!

É verdade, apenas localização geográfica não garante nada, mas é um caminho para estimular a pesquisa e desenvolvimento de tecnologia com DNA verde amarelo para suprir a necessidade deste mercado.

Guardadas as proporções, com a obrigatoriedade das empresas se instalarem no território nacional, vejo, forma analógica, ter o mesmo efeito que tiveram as instalações de montadoras de automóveis no século passado, na época da transformação industrial. Quanto desenvolvimento e inovação tivemos em consequências desta ação?

Porque na época da Transformação Digital que estamos vivendo, não fazer o mesmo para garantir a "Soberania Digital"?

Será que a quebra de braço entre as principais provedores de serviços, APPs, vai dar espaço para se chegar ao ponto de equilíbrio da Transformação Digital com "Soberania Digital"?

Ou será que a Privacidade será abandonada em nome da transformação digital?

IDFM

Índice de Nível de Violação - Infográfico 1 sem 2017 - Gemalto

http://breachlevelindex.com/assets/Breach-Level-Index-Infographic-H1-2017-Gemalto-1500.jpg

terça-feira, 26 de setembro de 2017

SEC - Os hackers acessaram dados autênticos usados por empresas em testes

Pela notícia publicada ontem (25 de setembro 2017)  por Reuter, mais um escândalo de segurança cibernética estará em evidências nos próximos dias.

Apesar de alegar ser ambiente de teste, a extensão do “prejuízo” poderá render a “cabeça” de mais executivos de TI e segurança das empresas envolvidas.

Será que o uso de dados reais em ambientes de testes foi uma negligência ou a responsabilidade pela atividade de gerar as informações foi delegada a  para um “estagiários” iniciantes sem qualquer conhecimento?

Será que esta faltando competência ou falta experiência das equipes de segurança?

Será que a reputação será abalada após este evento?

Segue a versão da publicação da Reuters originalmente disponível em https://reut.rs/2fnXj9M


Sarah N. Lynch , Joseph Menn

WASHINGTON / SAN FRANCISCO (Reuters) - Os hackers violaram o sistema informático da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos no ano passado aproveitando as empresas que utilizaram dados financeiros autênticos quando testaram o sistema de arquivamento corporativo da agência, de acordo com fontes familiares ao assunto.

O Escritório Federal de Investigação e o Serviço Secreto dos EUA lançaram uma investigação sobre uma invasão de 2016 no sistema EDGAR da SEC, disseram várias dessas pessoas.

As fontes falaram anonimamente porque não é uma investigação pública. 

O sistema EDGAR da SEC é uma rede crucial usada pelas empresas para registrar relatórios de ganhos e outras informações relevantes.

Os porta-vozes do FBI, do Serviço Secreto e da SEC se recusaram a comentar, dizendo que não podiam confirmar nem negar a existência de uma investigação.

A violação ocorreu em outubro de 2016 e foi detectada no mesmo mês. O ataque parecia ter sido encaminhado através de um servidor na Europa Oriental, de acordo com um memorando interno do governo descrevendo o incidente, que foi visto pela Reuters.

Não havia evidências no momento em que os dados foram recuperados indevidamente, de acordo com uma fonte familiarizada com o assunto, e a questão foi tratada internamente pelo Escritório de Tecnologia da Informação da SEC.

Só depois que a Divisão de Execução da SEC detectou um padrão de negociação suspeita antes das divulgações públicas da empresa, os funcionários voltaram para a equipe de tecnologia da agência e perguntaram se algumas empresas estavam usando dados autênticos quando eles estavam testando o sistema EDGAR, disse uma das pessoas.

Ela disse que "muitas empresas" não apresentaram dados reais que se acredita ter sido pirateados.

O processo de teste "é para as pessoas enviar arquivos de teste para garantir que eles formatam corretamente e não tenham erros de submissão", disse esta pessoa.

"Eles usam normalmente esse direito antes que eles arquivem seus relatórios normais. Eles devem usar dados falsos ", disse. "No entanto, ainda é suposto ser protegido da mesma maneira no caso de fazer algo estúpido. Algumas empresas fizeram, e não foi protegida adequadamente ".

O presidente da SEC, Jay Clayton, confirmará a investigação em curso da divisão de execução quando ele testemunhar terça-feira perante o Comitê de Bancos do Senado, de acordo com o testemunho preparado pela Reuters.

Ele também pediu ao Escritório de Inspetor-Geral da SEC para investigar a intrusão em si, o escopo de informações não públicas que foram roubadas e como a SEC respondeu ao incidente, o que ele disse que foi devidamente relatado para a Preparação para Emergência em Computador do Departamento de Segurança Interna Equipe.

A investigação do FBI, que está sendo levada para fora de Nova Jersey, está se concentrando especificamente na atividade comercial em conexão com a violação, de acordo com várias fontes.

Uma possibilidade que o FBI está considerando é que a violação da SEC foi conectada a um grupo de hackers que interceptaram comunicados de imprensa corporativos eletrônicos em um caso anterior que o FBI em Nova Jersey ajudou a investigar, disseram várias fontes.

Nesse caso, os promotores federais do bairro de Nova York, no Brooklyn e Nova Jersey, bem como a SEC, cobravam uma aliança de comerciantes de ações e suspeitas de hackers de computadores com sede nos Estados Unidos e na Ucrânia.

Clayton, que foi instalado como presidente em maio, só soube da violação de 2016 em agosto, através da investigação da execução. Os Comissários da SEC, Kara Stein e Mike Piwowar, que são os únicos outros dois membros sentados da agência no momento, também só aprenderam sobre isso recentemente.

Alguns advogados da SEC não envolvidos no assunto aprenderam sobre isso quando o leram no jornal, segundo fontes.

O atraso na divulgação da invasão e a lacuna de um período de um mês entre descobri-lo e descobrir o potencial de abuso de informação privilegiada são particularmente embaraçosas para uma agência que empurrou as empresas a reforçar suas capacidades cibernéticas e que investiga as empresas por não divulgar brechas aos investidores mais rapidamente.

Embora nenhuma empresa tenha sido cobrada por divulgações erradas, a SEC já apresentou acusações contra corretoras sobre práticas de segurança cibernética.

A SEC experimentou outros incidentes cibernéticos nos últimos meses. Entre outubro de 2016 e abril de 2017, a SEC documentou uma variedade de vários incidentes de segurança cibernética, de acordo com uma fonte familiarizada com o assunto.

A Reuters não conseguiu saber imediatamente a natureza de todos os incidentes, embora a fonte tenha dito que vários envolvendo EDGAR.

Em um outro caso que não estava relacionado ao EDGAR, um servidor configurado para uso SEC não havia sido atualizado para corrigir vulnerabilidades conhecidas, disse uma pessoa familiarizada com o assunto.

A SEC detectou comunicações não autorizadas a partir dele. O FBI observou o trânsito, que era sinalização inicial ou "beaconing" em vez de exportação de informações importantes, e o buraco estava fechado. Nesse caso, o sinal do beacon foi enviado para um servidor na Ucrânia, acrescentou a pessoa.

A SEC foi criticada por suas defesas cibernéticas. O Departamento de Segurança Interna dos EUA detectou 5 vulnerabilidades "críticas" que precisavam ser corrigidas quando escaneava uma amostra dos computadores e dispositivos da agência na semana de 23 de janeiro.

Equifax Demite CEO depois de ataque hacker


Alvo de ataque hacker que vazou dados, Equifax troca CEO por executivo brasileiro | Tecnologia e Games | G1

Ainda não foi ninguém presos, mas Equifax anunciou nesta terça-feira (26) que Richard Smith deixará os postos de presidente-executivo e de presidente do Conselho Administrativo, depois de ter demitido outros dois executivos na semana passada.

O novo CEO será o brasileiro Paulino do Rego Barros Jr.

Veja o que publicamos sobre o assunto:







IDFM

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Bitcoin - China proíbe executivos de Bitcoin deixarem o país – Guia do Bitcoin

China proíbe executivos de Bitcoin deixarem o país, mineradores se "prepararam para o pior" – Guia do Bitcoin

Para que vem acompanhando o mercado de Bitcoin, seguem publicação feita por Guia do Bitcoin.

China proíbe executivos de Bitcoin deixarem o país, mineradores se "prepararam para o pior"

A mídia chinesa está informando que executivos de exchanges de foram ordenados a não deixar o país, afirmando:

"Uma série de fontes dizem que os executivos de plataformas especiais de exchanges de moedas não podem deixar Pequim, para cooperar com a investigação. De acordo com os requisitos regulamentares, os acionistas da plataforma de negociação, o atual controlador e executivos financeiros precisam cooperar plenamente com o trabalho relevante no período de limpeza em Pequim".

A Financial Review (AFR) da Austrália diz que a mensagem acima foi confirmado com eles por "uma fonte próxima a uma das maiores exchanges, a ", que lhes disse que seu fundador, Li Lin, era obrigado a "informar as autoridades e cooperar com suas trabalhe a qualquer momento ".

A medida desesperada é realizada na sequência de uma decisão do Partido Comunista da China de fechar todas as exchanges de criptomoedas, com os volumes de negócios no país caindo consideravelmente.

Os volumes de negociação chineses agora representam apenas cerca de 5% – 10% dos volumes de negociação global de ou . Com o significativamente inferior. O CoinMarketCap irá excluí-los dos cálculos dos preços médios.

China se isola do mundo: Bitcoin prospera independente dela

A China, portanto, parece ter se isolado, enquanto o resto do mundo parece avançar, mas questões são levantadas em relação aos mineradores, com cerca de 80% de suas operações centralizadas no país.

Um investidor em mineradoras chinesas de Bitcoin disse à AFP:

"Todos nós não estávamos acreditando que eles fechariam as exchanges, então estamos nos preparando para o pior".

A decisão da China de fechar as exchanges surpreendeu muitos e foi muito inesperado com o autoritário não dando nenhuma pista que eles planejam tomar medidas tão desesperadoras.

Pergunta-se então, o que será que eles podem fazer quanto as operações de : uma indústria importadora de US$ 2 bilhões que pode ter dificuldade em operar sem a capacidade de vender seus bitcoins no mercado.

Os mineradores da China estão aparentemente se preparando para o pior, com alguns pensando em se mudarem para países vizinhos ou para áreas muito frias, como a Islândia.

Via: TrustNodes
Tradução: Guia do Bitcoin


É importante se manter informado todos os dias, siga nossos canais oficiais:

Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: http://guiadobitcoin.com.br/feed/


IDFM

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Bitcoin - China poderá bloquear todas as transações de Bitcoin no país

As autoridades chinesas podem estar se movendo em direção a uma ampla repressão no Bitcoin, incluindo trocas peer-to-peer (P2P) e plataformas de negociação over-the-counter (OTC). 


Usando o Great Firewall para bloquear endereços IP, o acesso a trocas externas de bitcoins pode ser bloqueado e a rede de transações Bitcoin pode ser interrompida dentro do país. Os mineiros Bitcoin também estão preocupados que suas operações possam ser restritas.

 

As autoridades chinesas informaram a  vários executivos da indústria, em uma reunião fechada em Pequim na sexta-feira,  que estão "avançando para uma ampla repressão no comércio de bitcoins", de acordo com o Wall Street Journal na segunda-feira. Citando pessoas familiarizadas com o assunto, o noticiário escreveu:


"Os reguladores decidiram uma proibição abrangente de canais para a compra ou venda da moeda virtual na China que vai além dos planos para fechar trocas de bitcoins comerciais."


"Até a semana passada, muitos empresários dos círculos da Bitcoin da China pensaram que as autoridades poderiam encerrar apenas atividades de comércio comercial, tolerando plataformas de bitcoin peer-to-peer ou over-the-counter, que permitem que compradores e vendedores se encontrem e troquem diretamente ". 


Esta notícia veio depois que Pequim havia ordenado que as trocas de bitcoin fechassem, o que muitos já cumpriram, incluindo Btcchina, Huobi e Okcoin. Após a repressão regulamentar, os preços do bitcoin caíram inicialmente, mas depois se recuperaram. O volume de negociação da China caiu para a quarta posição globalmente, à medida que os comerciantes migraram negócios para mercado de balcão e trocas fora da China. 


Os volumes de negociação em Localbitcoins subseqüentemente aumentaram exponencialmente, informou recentemente a news.Bitcoin.com.


Na semana passada, o Bitkan suspendeu  o serviço de troca de criptografia OTC. A suspensão, que começou em 14 de setembro, afeta o aplicativo e o site móvel da plataforma para os serviços BTC e BCC OTC, anunciou a empresa.


Bloqueando o acesso às trocas Bitcoin no exterior


O Wall Street Journal também notou na segunda-feira que, de acordo com "pessoas familiarizadas com o assunto":


"Uma redução mais ampla provavelmente incluirá o bloqueio do acesso do continente a sites de trocas de bitcoins estrangeiras, como Coinbase nos EUA e Bitfinex em Hong Kong."


Isso concorda com um documento que surgiu na semana passada detalhando como o governo chinês tentará bloquear o acesso às trocas de bitcoin e outros serviços importantes que residem fora do país. Enquanto o documento não foi verificado, Sina afirmou que é autêntico.


As trocas de bitcoin especificamente mencionadas no documento incluem Coinbase, Okcoin, Bithumb, Bittrex, Coinone, Bitflyer, Bitstamp, Bitfinex, Poloniex, Kraken, Bitmex e Localbitcoins.


Bloqueando nós de rede Bitcoin externos


De acordo com o documento acima, todos os endereços DNS e IP de sites, aplicativos e APIs de trocas de bitcoins estrangeiras serão analisados, e o acesso a cada um será bloqueado pelo Great Firewall antes de 30 de setembro.


O documento também indicou uma tentativa de interromper o roteamento básico da rede P2P da própria Bitcoin dentro do país, o que poderia perturbar o fluxo de bitcoins através da borda. 


O governo monitorará a comunicação de rede entre nós domésticos e pools para evitar que os nós domésticos se sincronizem com nós no exterior. Além disso, as pontes de comunicação de rede Bitcoin serão monitoradas, incluindo Tor e Virtual Private Networks (VPNs).


Para contornar o Great Firewall da China, algumas pessoas conseguiram usar os dois métodos acima no passado. No entanto, um empresário disse ao Wall Street Journal que "o uso de VPNs como uma solução alternativa será difícil". 


Embora o uso de VPNs ainda não seja diretamente ilegal no país, a China encontrou uma maneira de convencer as pessoas por vender software VPN. No início deste mês, um homem chinês foi preso por fazê-lo. A convicção era "fornecer software e ferramentas para invadir e controlar ilegalmente o sistema de informação do computador", de acordo com o South China Morning Post .


Os mineiros Bitcoin também serão afetados


Enquanto o volume de negócios de bitcoin da China caiu, sua participação no mercado de mineração continua sendo a maior do mundo. O mesmo empreendedor acima mencionado disse ao Wall Street Journal :


"Até agora, os mineiros chineses se consideravam imunes à posição em evolução de Pequim sobre o comércio de bitcoins. Um empresário disse que os mineiros agora estão preocupados com as autoridades que se deslocam para limitar suas operações."


"Com o aperto da política de monitoramento do bitcoin, o setor de mineração também é afetado", escreveu um repórter da 21st Century Economic News na terça-feira. 


Um concessionário de equipamentos de mineração da Shenyang disse ao repórter que o equipamento de mineração não vende bem agora por causa do atual sentimento de mercado em pânico. Com as plataformas de negociação de bitcoins domésticas fechando e a perspectiva de canais de comércio no exterior bloqueados, "o negócio de mineração será atingido com força", disse ele.


🤔 Será que a China vai reprimir todos os canais de negociação Bitcoin, ou estaria usando de manobra para aumentar o poder do governo na indústria de mineração? 


🤔 Será que o Bitcoin vais sofrer desvalorização,  em um mergulho sem precedentes levando para o fundo do poço? 


🤔 Quem serão os compradores nesta viagem ao fundo do Poço?


🤔 Como estarão operando JPMorgan, Morgan Stanley, Goldman Sachs, e Credit Suisse, durante o movimento de mergulho? 


Fonte: News.Bitcoin.com


IDFM


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

JPMorgan - A fraude do Bitcoin é um bom negócio?

Será que a matéria publicada pela Reuters, reproduzida abaixo, revela o que estaria por trás da declaração do CEO do JPMorgan de que Bitcoin é uma fraude? 


O CEO Dimon disse também que, se algum comerciante do JPMorgan negociasse a moeda criptográfica demitiria por dois motivos: é contra nossas regras e eles são estúpidos. 


Após a declaração do CEO feita em 12.09.2017, o mercado de Bitcoin reagiu de forma agressiva, num mergulho que atingiu uma perda de 30%  em 15.09.2017. 


Parecia um sinal de saída do mercado, mas não é bem assim, o JP Morgan foi pego em flagrante comprando um bando de ações XBT, que acompanha o preço do Bitcoin.


A revelação feita no site de notícias do Bitcoin.com mostra ainda que, de acordo com os registros públicos dos logs de negociação da Nordnet, as duas empresas associadas JP Morgan Securities Ltd. e Morgan Stanley compraram cerca de 3 milhões de euros de ações de notas XBT. 


Este movimento de compra no mergulho também foram feitos por outros. Além do JPMorgan, mais de uma dúzia de bancos seguiram o movimento, incluindo, Morgan Stanley, Goldman Sachs e Credit Suisse.


Nesta segunda-feira, rapidamente, o Bitcoin recuperou o valor perdido.


🤔 Será que declaração do CEO foi feita  para jogar a preço para baixo, numa "manipulação" premeditada do preço de mercado?


🤔 Será que o JP Morgan não é compliance com suas próprias regras ou são estúpidos mesmos? 


🤔 O que você acha do JP Morgan ter comprado notas negociadas em troca de bitcoin,  depois de tais declarações? 


🤔 Qual a diferença da declaração do JP Morgan com compra dos Bitcoins depois de cair o preço e o caso da JBS com dólares e ações depois da divulgação da delação dos irmãos Batista? Será que alguém vai preso no caso do JP Morgan?


🤔 Afinal, o Bitcoin é uma Fraude ou um Excelente Negócios?


Leia a  matéria publicada pelo Reuters é tire suas próprias conclusões. 👇


JPMorgan lida com negócios relacionados a bitcoin para clientes, apesar do aviso do CEO


NOVA YORK (Reuters) - O JPMorgan Chase & Co  tem roteado ordens de clientes para instrumentos relacionados a bitcoin,  disse um porta-voz nesta segunda-feira, apesar do executivo-chefe do banco chamar a moeda criptografia de "uma fraude".


Como outros bancos de Wall Street, a JPMorgan atua como agente para compradores e vendedores da Bitcoin XBT, uma nota negociada em bolsa, projetada para rastrear o valor da moeda criptográfica. 


A JPMorgan não toma posições no instrumento com seu próprio capital e rooteia ordens eletronicamente para trocas, disse o porta-voz do JPMorgan, Brian Marchiony. 


"Eles não são pedidos do JPMorgan", disse Marchiony. "Estes são clientes comprando produtos de terceiros diretamente".


O relacionamento de JPMorgan com o Bitcoin XBT entrou em questão durante o fim de semana, quando o blog financeiro Zerohedge perguntou por que o banco estava envolvido com a negociação depois que o Chefe do Executivo Jamie Dimon chamou a bitcoin de uma fraude e disse que iria atirar alguém no banco que o negocia. 


Porque não é apoiado por nenhum governo e tem sido vinculado a crimes, incluindo lavagem de dinheiro, pirataria e tráfico de drogas, a maioria das instituições financeiras ficou longe de negociar em bitcoin. 


Dimon capturou esse sentimento em seus comentários na semana passada. "Se temos um comerciante que negocia bitcoin, eu os demitiria em um segundo, por dois motivos: é contra nossas regras e são estúpidos, e ambos são perigosos", disse ele em uma conferência de investidores.


Mesmo assim, as principais empresas financeiras, incluindo a JPMorgan, investiram em uma tecnologia chamada blockchain que sustenta as transações bitcoin na esperança de que possa ser usado para outros fins, como a liquidação de negócios comuns. 


Os preços da Bitcoin caíram na semana passada para quase US$ 3.000 de US$ 4.200 depois que Dimon falou e a China teria reprimido as trocas de moeda cripto. 


Mas o bitcoin se recuperou com a nova semana, negociando no BTSTBB BTC = BTSP em US $ 4.025 na segunda-feira. 

Junto com o JPMorgan, mais de uma dúzia de bancos, incluindo Morgan Stanley ( MS.N), Goldman Sachs Group Inc ( GS.N ) e Credit Suisse Group AG ( CSGN.S ), agiram como intermediários para comprar e vender o Bitcoin XBT em A troca baseada em Estocolmo, de acordo com o banco on-line sueco Nordnet AB.


A CBOE Holdings Inc ( CBOE.O ) aplicou-se com reguladores dos EUA para lidar com um contrato de futuros de bitcoin e um fundo negociado em bolsa. 


"Goste ou não, as pessoas querem exposição ao bitcoin", disse Edward Tilly, CEO da CBOE na semana passada, na mesma conferência em que Dimon falou. 


Fonte: http://www.reuters.com/article/us-jpmorgan-bitcoin/jpmorgan-handles-bitcoin-related-trades-for-clients-despite-ceo-warning-idUSKCN1BT2E3 



IDFM

Equifax - Reação do governo de Nova York.

WASHINGTON (Reuters) - O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse em um comunicado nesta segunda-feira que todas as agências de relatórios de crédito devem se registrar no estado e cumprir suas regras de segurança cibernética. 


O regulamento, ordenado na sequência de uma violação na Equifax que expôs dados sensíveis de até 143 milhões de pessoas, permitirá que o Estado se recuse a permitir que uma empresa faça negócios com as instituições financeiras de Nova York, a declaração disse.


Fonte: Reuters 

domingo, 17 de setembro de 2017

Equifax - Será que alguém vai para a prisão?

Após o "acesso não autorizado", realizado através de vulnerabilidade de seu site da Equifax, expondo informações confidenciais de até 143 milhões de pessoas, o Senado americano declarou, "Alguém precisa ir para a prisão".  

Em reação do mercado, os preços das ações da Equifax caíram em mais de um terço desde que a empresa divulgou a violação em 7 de setembro. 


Na última sexta-feira (15.09.2017), a Equifax respondeu ao mercado demitindo dois executivos, de  tecnologia e segurança, colocando as cabeças dos dois na bandeja que poderá resultar em punições mais severas.


O problema não se restringe aos Estados Unidos. 


A Equifax disse na sexta-feira que dados em até 400 mil britânicos foram roubados porque estavam  armazenados nos Estados Unidos.  


O comissário de privacidade do Canadá disse na sexta-feira que lançou uma investigação sobre a violação de dados. A Equifax ainda está trabalhando para determinar o número de canadenses afetados, informou o Comissário em um comunicado.


Será que esta violação ficaram restritas a Estados Unidos, Canada e Reino Unido?


Será que alguém vai para a prisão?


IDFM


Fonte: Reuters  https://goo.gl/TnYojJ


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Face ID do iPhone X, que danado é isso?

Muitos me perguntaram o que tem de  novidade o uso de reconhecimento de rosto, o Face ID, para desbloquear o novo iPhone X, lançado esta semana.


Pesquisei e lá vai o que consegui apurar:


  • A Apple conseguiu colocar o que seria "uma tonelada de hardware"  em um espaço muito pequeno - a típica câmera frontal, o microfone, o alto-falante, a luz ambiente e os sensores de proximidade são agora acompanhados por um nova câmera infravermelha, projetor de ponto e iluminador de "inundação".


  • O processo parece ser bastante simples: o telefone acende seu rosto, dispara, inundando-o com 30 mil pontos infravermelhos invisíveis que destaca suas características e cria um padrão áspero (digitaliza o rosto em 3D), tira fotos desses pontos com a câmera infravermelha e decide se a imagem parece você.
  • A Apple diz que a chance de enganar Face ID é de 1 em um milhão, em comparação com 1 em 50 mil usando  impressão digital.
  • Para tornar o Face ID seguro, privado e rápido, a Apple diz que nunca armazena seu rosto na nuvem, apenas  em uma parte criptografada do seu smartphone.  
  • Especificamente, ele executa todas as varreduras faciais através de um  co-processador dedicado, com sua própria memória criptografada;
  • A tecnologia é projetada para reconhecê-lo apenas quando você tem os dois olhos abertos e está olhando diretamente para o smartphone.
  • A Apple diz que usa o aprendizado da máquina para que o Face ID possa crescer com você e é inteligente o suficiente para ainda reconhecer seu rosto se você mudar penteados, adicionar um lenço e chapéu ou cultivar uma barba. 

Simples, não?


O reconhecimento de rosto até então usado por outros fabricantes não funciona bem, não garante segurança e pode ser fraudado facilmente com imagens (https://goo.gl/C1ecdB).


Acredito que a aposta da Apple é na mudança deste paradigma, tornando seguro, fácil de usar e "imune" à fraude por utilização de imagem. 


Pela demonstração feita no evento de lançamento, a experiência do usuário com a Apple vai fazer a diferença, basta simplesmente olhar 👀 para o seu telefone para iniciar a sessão automaticamente e se não funcionar, basta limpar o rosto😂.


Mas o que estará por trás da utilização desta tecnologia da Apple, considerando que esta "novidade" já foi usada sem sucesso e é considerado um "processo lento" para desbloqueio de dispositivo móvel?


Será apenas para aprender e aperfeiçoar a tecnologia para ser usada como base para as aplicações de realidade aumentada?


Será que este aprendizado permitirá a evolução para o reconhecimento  biométrico seguro do ser humano e a usabilidade combinada como os assistentes virtuais?


Será que a implementação do Face ID  no desbloqueio, que obriga ser utilizado, é a forma  encontrada pela Apple trazer  a utilização de forma intuitiva e "automática", da mesma forma que o jogo de cartas Paciência (Solitaire) foi disponibilizado no windows para "treinar" o uso do mouse ? 


Imagino que a legião de fans da Apple irá proporcionar o aperfeiçoamento da tecnologia de reconhecimento de rosto, que combinada com a tecnologia de realidade aumentada, nos levará para um novo patamar de Apps. 


Os próximos  lançamentos do mercado de Apps e Games utilizando do Face ID e o engajamentos dos usuários à nova funcionalidade será um indicativo para onde estaremos indo!


Vamos esperar para ver no que vai dá.🤔


REALIDADE AUMENTADA 


Antes que vocês perguntem, que  danado é essa de "realidade aumentada" (RA ou AR), vou explicar rapidamente.


Realidade aumentada é a tecnologia que mistura o ambiente virtual com o ambiente real em um único contexto, a visualização é feita como sendo uma mesmo ambiente físico. O Wikipedia descreve bem as possibilidade de aplicação desta tecnologia https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Realidade_aumentada


Um bom exemplo da utilização da  tecnologia é o jogo Pokémon GO, caso tenha curiosidade, veja o que já publicamos sobre este assunto. Você vai gostar:


IDFM